Hora certa:
 

Artigos

Anormalidades cerebrovasculares na doença de Alzheimer: uma abordagem adrenérgica

Rubens de Fraga Júnior

A Aging-US publicou um artigo intitulado Envolvimento de anomalias cerebrovasculares na patogênese e progressão da doença de Alzheimer: uma abordagem adrenérgica, que relatou que a doença de Alzheimer, como a doença neurodegenerativa mais comum na população idosa, é patologicamente caracterizada por placas β-amilóides, emaranhados neurofibrilares composto de proteína tau altamente fosforilada e, conseqüentemente, neurodegeneração progressiva.

Linhas crescentes de evidência de estudos clínicos e pré-clínicos indicaram que disfunções cerebrovasculares relacionadas à idade, incluindo as mudanças na microestrutura cerebrovascular, integridade da barreira hematoencefálica, reatividade cerebrovascular e fluxo sanguíneo cerebral, acompanham ou mesmo precedem o desenvolvimento de patologias semelhantes à doença.

Nesta revisão, os autores fornecem uma avaliação das alterações cerebrovasculares no Alzheimer e a relação com o comprometimento cognitivo e as patologias da doença. Além disso, os mecanismos adrenérgicos que levam a doenças cerebrovasculares e ao alzheimer foram discutidos mais detalhadamente.

O Dr. Song Li e o Dr. Jun Tan, de Chinare, relatam que "a doença é a forma mais comum de doença neurodegenerativa na população idosa em todo o mundo."

Estima-se que, em 2060, o número de pacientes americanos com 65 anos ou mais, pode aumentar de 6,2 milhões para 13,8 milhões. O Alzheimer é clinicamente caracterizado como declínio cognitivo e manifestações psiquiátricas. É uma doença neurodegenerativa progressiva que pode começar décadas antes do aparecimento dos sintomas clínicos. Embora vários mecanismos patológicos tenham sido identificados, os autores acreditam que nenhuma terapêutica satisfatoriamente eficaz foi desenvolvida. Recentemente, as disfunções cerebrovasculares, como uma possível causa no desenvolvimento e progressão da enfermidade esporádica, têm ganhado cada vez mais atenção.

Descobertas recentes destacaram ainda mais a prevalência de distúrbios cerebrovasculares em pacientes com síndrome de Down e adicionadas a um crescente corpo de evidências que implicam anormalidades cerebrovasculares como uma característica central da doença em vez de uma simples comorbidade.

Além disso, o sistema adrenérgico, incluindo os receptores / β adrenérgicos e seu processo de sinalização molecular a jusante, pode servir como a abordagem chave para modular essas anormalidades cerebrovasculares e neuro degeneração progressiva.

A Equipe de Pesquisa Li / Tan concluiu que o aumento das linhas de evidência de estudos pré-clínicos ou clínicos revelaram que as alterações vasculares cerebrais durante os estágios iniciais podem contribuir para a patogênese e progressão da doença. A avaliação vascular cerebral pode fornecer ferramentas promissoras para o diagnóstico precoce e a remodelação vascular cerebral pode trazer benefícios para a terapia contra a doença.

Fonte: Song Li et al, Involvement of cerebrovascular abnormalities in the pathogenesis and progression of Alzheimer's disease: an adrenergic approach, Aging (2021). DOI: 10.18632/aging.203482

Rubens de Fraga Júnior é professor titular da disciplina de gerontologia da Faculdade Evangélica Mackenzie do Paraná. Médico especialista em geriatria e gerontologia pela SBGG.

 

Artigos

ver tudo

Banner Snifbrasil

Banner DPM


SnifDoctor é uma publicação

(11) 5533-5900 – dpm@dpm.srv.br
O conteúdo dos artigos assinados no site e no boletim SnifDoctor é de responsabilidade de cada um dos colaboradores. As opiniões neles impressas não refletem, necessariamente, a posição desta Editora.
Não é permitida a reprodução de textos, total ou parcial sem a expressa autorização da DPM.
Informações adicionais poderão ser solicitadas pelo e-mail editor@snifdoctor.com.br. Qualquer problema, ou dificuldade de navegação poderá ser atendido pelo serviço de suporte SnifDoctor, pelo e-mail dpm@dpm.srv.br

Seu IP: 34.239.147.7 | CCBot/2.0 (https://commoncrawl.org/faq/)