Hora certa:
 

Atualidades

Oncologista traz mitos e verdades sobre a relação amamentação x câncer de mama

Além dos inúmeros benefícios para a mãe e para o bebê, estima-se que o aleitamento materno previna 20 mil mortes a cada ano por câncer de mama

A oncologista do Grupo SOnHe – Sasse Oncologia e Hematologia, Susana Ramalho, faz uma reflexão sobre o que é verdade e o que é mito na relação entre aleitamento materno e câncer de mama. Confira:

VERDADE: a amamentação diminui o risco de câncer de mama.

Vários estudos confirmaram que o aleitamento materno diminui o risco de câncer de mama. Estima-se que o ato de amamentar previna até 20 mil mortes a cada ano por câncer de mama. O movimento do bebê de sugar o leite promove uma troca e renovação de células do tecido mamário e um controle hormonal que favorecem um menor desenvolvimento do câncer.

MITO: a amamentação por menos tempo é melhor para diminuir o risco de câncer de mama.

Quanto mais prolongado for o tempo que mulher amamentar seu bebê, maior a proteção. Estudos demonstraram que a cada 12 meses de amamentação, pode-se diminuir em 4,3% as chances de aparecimento de um câncer de mama. Portanto, o aleitamento materno deve ser estimulado como exclusivo até os seis meses de vida do bebê e mantido até os dois anos de idade ou mais para benefício da mãe e do bebê, que terá menos risco de obesidade e sobrepeso.

 MITO: a amamentação não modifica o risco de outros tipos de câncer.

Além do risco do câncer da mama, o aleitamento materno também diminui em 30% o risco de câncer de ovário. A amamentação por pelo menos três meses está associada a uma redução do risco de tumores de ovário e se mantém por muitos anos, sendo maior quanto mais a mulher amamentou e quanto mais cedo amamentou.

VERDADE: mulheres com câncer de mama não podem amamentar.

Apesar de todas as vantagens do aleitamento materno, algumas vezes esta não é a melhor opção nem para o bebê e nem para a mãe. Um dos motivos é o câncer de mama tratado ou em tratamento, ou mesmo mulheres em tratamento quimioterápico. São situações nas quais o leite materno pode causar danos à saúde do bebê, transmitindo substâncias prejudiciais.


 

UPpharma on-line: publicação dirigida a médicos, prescritores e profissionais da saúde


(11) 5533-5900 – uppharma@uppharma.com.br
O conteúdo dos artigos assinados no site e no boletim UPpharma on-line é de responsabilidade de cada um dos autores. As opiniões neles impressas não refletem, necessariamente, a posição desta Editora.
Não é permitida a reprodução de textos, total ou parcial, sem a expressa autorização da DPM Editora.
Informações adicionais poderão ser solicitadas pelo e-mail uppharma@uppharma.com.br . Qualquer dúvida, ou dificuldade de navegação, poderá ser atendida pelo serviço de suporte UPpharma on-line pelo e-mail: uppharma@uppharma.com.br

Seu IP: 3.230.143.213 | CCBot/2.0 (https://commoncrawl.org/faq/)