Hora certa:
 

Noticias

Fato ou Fake? Confira os principais mitos e verdades sobre a Esclerose Múltipla

Segunda-feira, 30/05 é o Dia Mundial da Esclerose Múltipla, doença que atinge 8,69 pessoas a cada 100 mil no Brasil e costuma afetar pessoas mais jovens, sobretudo mulheres1. Quando um tratamento adequado não é realizado, a Esclerose Múltipla pode provocar dificuldades motoras e sensoriais significativas2. A data é um marco e um convite para promover a conscientização sobre o assunto.

Confira abaixo algumas das principais dúvidas sobre a Esclerose Múltipla:

A Esclerose Múltipla é uma doença mental?

A Esclerose Múltipla não é uma enfermidade mental, não significa demência e tampouco é contagiosa. Trata-se de uma doença neurológica inflamatória crônica3, que ocorre quando o organismo ataca o próprio sistema nervoso central, gerando um processo inflamatório que danifica a bainha de mielina, uma membrana que envolve e isola as fibras nervosas. Dessa forma, a transmissão dos impulsos nervosos para o resto do corpo fica prejudicada, podendo causar lesões no cérebro e na medula espinhal3.

A Esclerose Múltipla é uma doença de pessoas idosas?

Essa doença acomete usualmente adultos jovens, dos 20 aos 50 anos de idade, com pico aos 30 anos1. Os sinais da esclerose múltipla são diversos e nem sempre são os mesmos para todos4. Os pacientes podem apresentar visão turva ou a ter a perda da visão por um curto período, sentir movimentos involuntários de contração muscular, dormência e formigamento nos braços e pernas1. Além disso, podem apresentar tontura e fadiga excessiva, dificuldades motoras como falta de coordenação, desequilíbrio e tremores e problemas de memória e concentração1.

 Existe um exame para o diagnóstico?

Não existe um exame único para confirmar a doença5. A confirmação do diagnóstico deve ser feita com a combinação de alguns exames, como de sangue, testes de função neurológica, ressonância magnética e punção lombar6. Com isso, busca-se eliminar hipóteses que provoquem sintomas similares e possam ser confundidas com a Esclerose Múltipla.

 Existe cura?

A esclerose múltipla não tem cura, mas os sintomas da doença podem ser controlados. O tratamento busca atenuar os efeitos e desacelerar sua progressão. Dessa forma, o paciente pode ter uma melhora significativa na qualidade de vida.7

 


Este material é dirigido exclusivamente à imprensa especializada como fonte de informação. Recomenda-se que o conteúdo não seja reproduzido integralmente. As informações veiculadas neste documento têm caráter apenas informativo e não podem substituir, em qualquer hipótese, as recomendações do médico ou farmacêutico nem servir de subsídio para efetuar um diagnóstico médico ou estimular a automedicação. O médico é o único profissional competente para prescrever o melhor tratamento para o seu paciente.Referências:1 Ministério da Saúde. Secretaria De Atenção Especializada à Saúde. Secretaria De Ciência, Tecnologia, Inovação e Insumos Estratégicos em Saúde. Portaria Conjunta Nº 1, 07 de janeiro de 2022.2Centers for Disease Control and Prevention [homepage na internet]. About Chronic Diseases [acesso em 10 maio 2021].3Ministério da Saúde, Biblioteca Virtual em Saúde. Dia Nacional de Conscientização Sobre a Esclerose Múltipla.4Academia Brasileira de Neurologia [homepage na internet]. Esclerose Múltipla [acesso em 10 maio 2021].5National Multiple Sclerosis Society. Multiple Sclerosis: Just The Facts. Disponível em:6Amigos Múltiplos. [homepage na internet]. Exames e Esclerose Múltipla [acesso em 10 maio 2021].7American Academy of Neurology. Evidence-based guideline: Assessment and management of psychiatric disorders in individuals with MS. 2013.

Artigos

ver tudo

Banner Snifbrasil

Banner DPM


SnifDoctor é uma publicação

(11) 5533-5900 – dpm@dpm.srv.br
O conteúdo dos artigos assinados no site e no boletim SnifDoctor é de responsabilidade de cada um dos colaboradores. As opiniões neles impressas não refletem, necessariamente, a posição desta Editora.
Não é permitida a reprodução de textos, total ou parcial sem a expressa autorização da DPM.
Informações adicionais poderão ser solicitadas pelo e-mail editor@snifdoctor.com.br. Qualquer problema, ou dificuldade de navegação poderá ser atendido pelo serviço de suporte SnifDoctor, pelo e-mail dpm@dpm.srv.br

Seu IP: 3.236.225.157 | CCBot/2.0 (https://commoncrawl.org/faq/)