Hora certa:
 

Noticias

Saúde mental na adolescência: é preciso estar atento aos sinais

A infância e adolescência são períodos importantíssimos para o desenvolvimento físico e psicológico dos indivíduos. Enquanto na infância as experiências são mais lúdicas e exploratórias, na adolescência ocorrem mudanças significativas na interação social e nas emoções e, com isso, as vivências e sentimentos são mais intensos.

"Durante a adolescência, as mudanças corporais são mais evidentes e há uma necessidade maior de interação social e de pertencimento a grupos. É um período em que os indivíduos estão procurando sua identidade. Logo, alguns sentimentos podem tomar grandes proporções", afirma o Dr. Rodrigo Lancelote Alberto, psiquiatra e diretor técnico no Centro de Atenção Integrada à Saúde Mental (CAISM) Franco da Rocha, gerenciado pelo CEJAM - Centro de Estudos e Pesquisas "Dr. João Amorim" em parceria com a Secretaria Estadual da Saúde de São Paulo.

Nesta fase da vida, diversos fatores podem afetar a saúde mental dos jovens e desencadear diferentes reações. De acordo com a Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS), metade de todas as condições de saúde mental começa aos 14 anos de idade e a maioria dos casos não é detectada ou tratada. Por isso, é importante ficar atento aos sinais.

Com a pandemia, muitas doenças psicológicas tomaram grandes proporções entre adolescentes. Não só isso, as bagagens individuais de cada um também acabaram por potencializar ainda mais alguns sentimentos.

“A exposição a situações de risco, violência e abusos nos diversos ambientes, como em casa ou na escola, deixam os adolescentes em situação de extrema vulnerabilidade, pois são locais que, em tese, deveriam prover segurança emocional. Um histórico com esses tipos de vivências pode, muitas vezes, trazer consequências negativas, como possíveis comportamentos agressivos por parte do jovem”, explica o médico.

Não só isso, é também nesta fase da vida que algumas práticas influenciam na forma como o jovem se vê na sociedade. O bullying, que tem sido um assunto bastante presente quando se trata deste público, é uma ação que, somada a outros fatores, pode afetar diretamente a saúde psicológica dos que ainda se encontram em fase de amadurecimento.

“Essa vivência também possui impactos e repercussões emocionais com consequências nocivas para a saúde mental, o que pode desencadear conflitos, dificuldades e transtornos mentais que afetarão o desenvolvimento pessoal. Isso inclui ações e reações violentas, excepcionais e extremas por parte daqueles que são vítimas de bullying”, complementa o psiquiatra.

Junto a isso, as redes sociais têm exercido um papel importante na saúde mental dos jovens. Embora ofereçam muitos benefícios, podem também ser um estímulo negativo para aqueles que já sofrem com questões emocionais e psicológicas e não contam com nenhum tipo de ajuda.

"A partir das redes sociais, os jovens podem ter acesso a conteúdos impróprios e violentos, além de grupos que, muitas vezes, não contribuem positivamente para o seu desenvolvimento. Quando utilizadas de forma inadequada, essas mídias podem afetar o bem-estar psicológico de diferentes formas", ressalta o especialista.Pesquisa realizada em 2022 pelo Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef) e pela organização da sociedade civil Viração Educomunicação, com mais de 7,7 mil jovens e adolescentes de diferentes partes do Brasil, indica que metade dos entrevistados já sentiu necessidade de pedir ajuda sobre assuntos relacionados à saúde mental. Ainda de acordo com o levantamento, 50% dos participantes não conheciam os serviços ou profissionais que deveriam buscar para apoiá-los com seus problemas.Por isso, prover condições para entender e dar suporte aos conflitos internos destes jovens é de extrema importância e uma forma de os acolher, evitando, em alguns casos, consequências mais drásticas.

“É importante que todos que estão em torno do adolescente estejam atentos e tenham um olhar cuidadoso a mudanças de comportamentos, que incluem isolamento e atos agressivos e violentos, que, muitas vezes, são inexplicáveis à primeira vista”, afirma Dr. Rodrigo.

Ainda de acordo com o psiquiatra, é ideal que os ambientes familiares, sociais e escolares permitam que os adolescentes se expressem livremente e exponham suas dificuldades e conflitos, sem julgamento. Ademais, é importante que haja um retorno que os ajude a desenvolver a resiliência e o autoconhecimento necessários para superar as dificuldades enfrentadas.
  

UPpharma on-line: publicação dirigida a médicos, prescritores e profissionais da saúde


(11) 5533-5900 – uppharma@uppharma.com.br
O conteúdo dos artigos assinados no site e no boletim UPpharma on-line é de responsabilidade de cada um dos autores. As opiniões neles impressas não refletem, necessariamente, a posição desta Editora.
Não é permitida a reprodução de textos, total ou parcial, sem a expressa autorização da DPM Editora.
Informações adicionais poderão ser solicitadas pelo e-mail uppharma@uppharma.com.br . Qualquer dúvida, ou dificuldade de navegação, poderá ser atendida pelo serviço de suporte UPpharma on-line pelo e-mail: uppharma@uppharma.com.br

Seu IP: 34.239.170.244 | CCBot/2.0 (https://commoncrawl.org/faq/)