Hora certa:
 

Noticias

Câncer de esôfago está associado ao consumo de tabaco e álcool, alerta SBOC

Posicionado como o sexto tipo de neoplasia mais comum entre os homens e o 15º entre as mulheres, o câncer de esôfago afetou cerca de 11.390 brasileiros em 2022, de acordo com dados do Instituto Nacional de Câncer (INCA). Esse tipo de tumor é considerado grave e afeta, principalmente, pessoas a partir dos 50 anos, sendo mais incidente nas regiões Sudeste e Sul do país. Neste Mês de Conscientização do Câncer de Esôfago, a Sociedade Brasileira de Oncologia Clínica (SBOC) chama atenção para a doença e faz um alerta em relação aos sintomas: eles podem ser confundidos com os de refluxo, o que muitas vezes resulta em diagnóstico tardio.

É importante esclarecer à população que o carcinoma epidermoide é um dos tipos mais frequentes de câncer no esôfago, sendo responsável por mais de 90% dos casos da doença. Segundo a Dra. Juliana Florinda de Mendonça Rêgo, do Comitê de Tumores Gastrointestinais Alto da SBOC, esse tumor está principalmente associado ao consumo de tabaco e álcool. "Ele se manifesta nas células escamosas, que fazem parte do revestimento do terço superior e médio do esôfago", detalha a oncologista clínica.

Já o adenocarcinoma, outro entre os tipos mais incidentes, origina-se nas glândulas secretoras de muco presentes sobretudo no terço inferior do esôfago. "Em sua maioria, o adenocarcinoma está relacionado ao esôfago de Barrett -- uma mudança anormal das células presentes na porção inferior do esôfago --, à esofagite de refluxo crônica, à obesidade e ao fumo", explica Dra. Juliana.

Sintomas escondidos e diagnóstico

Em sua fase inicial, o câncer de esôfago tende a ser assintomático. Os sintomas surgem progressivamente quando a doença já se encontra em estágios mais avançados. Os principais são: dificuldade para engolir alimentos sólidos (disfagia) e, dependendo do avanço da doença, até mesmo alimentos líquidos; dor ao engolir (odinofagia); refluxo, que muitas vezes atrapalha e mascara o diagnóstico; dor atrás do esterno (osso do peito); perda de peso provocada pela dificuldade de se alimentar; náuseas e vômitos; azia; rouquidão; tosse; falta de ar; e hemorragia digestiva.

O diagnóstico é feito por meio da endoscopia digestiva alta e, se detectado o câncer de esôfago, outros exames podem ser solicitados como PET-CT, tomografia computadorizada, broncoscopia e ultrassonografia. Definir em qual estágio da doença o paciente se encontra é fundamental para a escolha correta do tratamento. "A ressecção tumoral é indicada na grande parte dos casos, seja por meio da ressecção endoscópica ou pela realização da cirurgia de esofagectomia", diz a especialista da SBOC. Cirurgia, radioterapia e quimioterapia, associadas ou não, são métodos importantes no tratamento desse tipo de câncer.

"Como com toda doença, a melhor forma de se prevenir do câncer de esôfago é mantendo bons hábitos de vida. É importante reforçar que o fumo e o consumo de bebidas alcoólicas são fatores de risco. Adotar uma dieta saudável e balanceada, além da prática de exercícios físicos, é de extrema importância para a saúde de todos e ajuda na prevenção deste e outros diversos tipos de câncer", conclui Dra. Juliana.

UPpharma on-line: publicação dirigida a médicos, prescritores e profissionais da saúde


(11) 5533-5900 – uppharma@uppharma.com.br
O conteúdo dos artigos assinados no site e no boletim UPpharma on-line é de responsabilidade de cada um dos autores. As opiniões neles impressas não refletem, necessariamente, a posição desta Editora.
Não é permitida a reprodução de textos, total ou parcial, sem a expressa autorização da DPM Editora.
Informações adicionais poderão ser solicitadas pelo e-mail uppharma@uppharma.com.br . Qualquer dúvida, ou dificuldade de navegação, poderá ser atendida pelo serviço de suporte UPpharma on-line pelo e-mail: uppharma@uppharma.com.br

Seu IP: 34.239.170.244 | CCBot/2.0 (https://commoncrawl.org/faq/)