Hora certa:
 

Noticias

Uso seguro de medicamentos garante tratamentos eficientes e evita riscos à saúde

À medida que os tratamentos médicos avançam e a expectativa de vida da população aumenta, os medicamentos se tornam indispensáveis na promoção da saúde e no tratamento de doenças. Reconhecendo a importância desse tema, a Organização Mundial da Saúde (OMS) estabeleceu a Meta 3, dedicada à segurança na prescrição, uso e administração de medicamentos, como parte das Metas Internacionais de Segurança do Paciente.

De acordo com uma pesquisa do Conselho Federal de Farmácia (CFF) de 2019, 77% dos brasileiros têm o hábito de se automedicar. Segundo Ismael Benhame de Oliveira, farmacêutico do CEJAM - Centro de Estudos e Pesquisas “Dr. João Amorim”, a automedicação pode trazer riscos à saúde, como o agravamento da doença, intoxicação e reações adversas graves.

"A prescrição médica desempenha um papel fundamental no uso seguro e racional de medicamentos, garantindo que os pacientes recebam os tratamentos adequados, na dose correta e pelo tempo certo, evitando assim desperdícios e riscos desnecessários", esclarece Ismael.

Neste contexto, a comunicação efetiva entre médicos, farmacêuticos, equipe de enfermagem e pacientes é imprescindível. Através dessa interação, os envolvidos podem estabelecer um diálogo aberto, esclarecer dúvidas e transmitir orientações claras.

O especialista ressalta que a eficácia e a segurança dos tratamentos medicamentosos podem ser comprometidas por uma série de fatores. "Desde uma letra ilegível em uma prescrição até uma técnica de aplicação incorreta, cada detalhe importa", enfatiza.

Ao receber a prescrição, é importante ler com atenção todas as informações, como o nome do remédio, a dosagem e as orientações de uso. Se algo estiver ilegível ou incompreensível, é recomendado que o paciente procure esclarecimentos junto ao seu médico ou farmacêutico.

Para melhorar o entendimento dos usuários, as unidades de saúde utilizam estratégias que têm resultados positivos. Isso inclui a realização de grupos de assistência, consultas farmacêuticas, seleção cuidadosa do plano terapêutico, visitas domiciliares e a atuação conjunta das equipes na promoção da assistência farmacêutica.

O autocuidado também tem um impacto significativo na segurança do uso de medicamentos. Os pacientes têm o poder de assumir a responsabilidade por sua própria saúde, ao seguir as orientações fornecidas pelos profissionais de saúde, aderir ao tratamento prescrito, realizar o armazenamento correto e buscar ajuda sempre que surgirem dúvidas ou preocupações.

“Ao assumir um papel ativo em sua própria saúde, os pacientes contribuem para a prevenção de erros e para o uso adequado e seguro dos medicamentos, garantindo assim uma melhor qualidade de vida e bem-estar”, salienta.

 Administração segura de medicamentos

A administração de medicamentos é uma das tarefas mais sensíveis no campo da assistência à saúde. A equipe de enfermagem segue protocolos rigorosos para que cada dose seja aplicada de forma precisa, pela via apropriada e no momento exato.

Nesse cenário, Bruna Marçal, enfermeira do CEJAM, que atua na linha de frente, fala sobre a adoção de procedimentos essenciais na administração de Medicamentos de Alta Vigilância (MAV). Ela reforça a importância dos manuais de farmacovigilância, que orientam o manejo atento em relação à dose e efeitos adversos.

Além disso, frisa o uso dos "9 certos da administração". Essas diretrizes abrangem desde a identificação correta do paciente e do medicamento até a via, hora, dose, registro, ação, forma e resposta adequadas.

No que diz respeito à administração de medicamentos com grafia ou fonética semelhantes (LASA), Bruna explica: "O acondicionamento correto e estratégico dos fármacos, juntamente com etiquetas padronizadas, é uma precaução crucial para proporcionar um cuidado seguro ao paciente."

A profissional também destaca a humanização como um elemento-chave para o sucesso nestes procedimentos. "Investir em segurança do paciente não é apenas cumprir um protocolo, é antes de tudo preservar o ser humano", conclui.

 

UPpharma on-line: publicação dirigida a médicos, prescritores e profissionais da saúde


(11) 5533-5900 – uppharma@uppharma.com.br
O conteúdo dos artigos assinados no site e no boletim UPpharma on-line é de responsabilidade de cada um dos autores. As opiniões neles impressas não refletem, necessariamente, a posição desta Editora.
Não é permitida a reprodução de textos, total ou parcial, sem a expressa autorização da DPM Editora.
Informações adicionais poderão ser solicitadas pelo e-mail uppharma@uppharma.com.br . Qualquer dúvida, ou dificuldade de navegação, poderá ser atendida pelo serviço de suporte UPpharma on-line pelo e-mail: uppharma@uppharma.com.br

Seu IP: 44.223.39.67 | CCBot/2.0 (https://commoncrawl.org/faq/)