Hora certa:
 

Noticias

Desmistificando e convivendo com a diabetes

De acordo com os dados da 10ª edição do Atlas Diabetes, há um aumento global na prevalência da comorbidade, tornando-a um desafio para a saúde e o bem-estar da sociedade. Atualmente, estima-se que 537 milhões de pessoas convivam com a doença. Os dados se tornam mais alarmantes pois há uma previsão de que esse número aumente para 643 milhões em 2030 e 784 milhões em 2045. 

O endocrinologista que apoia o Instituto Correndo pelo Diabetes (ICPD) explica que a Diabetes Mellitus tipo 1 (DM1) ocorre com mais frequência em crianças e adultos jovens magros, tratada principalmente com insulina. Já a Diabetes Mellitus tipo 2 (DM2) é mais comum em adultos obesos, tratada com dieta, exercícios, medicamentos e em alguns casos, insulina. Um terceiro tipo bastante comum de Diabetes é a Diabetes Gestacional, que surge na gravidez e pode ou não persistir após o parto.

Em relação aos sintomas, o especialista salienta que os sinais de alerta incluem sede excessiva, fome intensa, frequência urinária aumentada, fadiga e visão turva. O emagrecimento inexplicado é mais comum na DM1, enquanto a DM2 pode apresentar sintomas mais discretos e de evolução mais lenta. 

“No diabetes tipo 2, os fatores de risco englobam obesidade, sedentarismo, tabagismo, histórico de fetos macrossômicos na gestação, histórico familiar de diabetes, hipertensão e dislipidemia. O diagnóstico do diabetes é realizado através de exames laboratoriais, como a medição da glicemia em jejum e testes de tolerância à glicose. É fundamental buscar a orientação de um especialista caso esses sintomas estejam presentes”, destaca o Dr. Edson Perrotti.

Em relação ao tratamento, o médico explica que a insulina é essencial para permitir que a glicose seja absorvida pelas células. Pessoas com diabetes que necessitam de insulina devem aplicá-la usando seringas, canetas ou bombas de insulina. Entretanto, houve avanços significativos na monitorização da glicemia, com o desenvolvimento de sensores, bem como no desenvolvimento de novos medicamentos e insulinas. Além disso, surgiram formas automatizadas de administração de insulina, conhecidas como pâncreas artificiais. 

“As complicações do diabetes envolvem problemas vasculares, como obstrução de artérias e veias, resultando em infarto agudo do miocárdio, acidente vascular cerebral e acidente vascular periférico. Além disso, existem as complicações: renais que podem levar à insuficiência renal e diálise; complicações oftalmológicas como catarata e retinopatia que podem resultar em cegueira; e complicações neurológicas, sendo a neuropatia periférica a mais comum, causando dores intensas nos pés e pernas”, pontua o especialista.

Conviver com a diabetes, gera a necessidade de mais cuidado e atenção do paciente. Por outro lado, também pode promover mudanças de hábitos em busca de uma melhor qualidade de vida. 

 

UPpharma on-line: publicação dirigida a médicos, prescritores e profissionais da saúde


(11) 5533-5900 – uppharma@uppharma.com.br
O conteúdo dos artigos assinados no site e no boletim UPpharma on-line é de responsabilidade de cada um dos autores. As opiniões neles impressas não refletem, necessariamente, a posição desta Editora.
Não é permitida a reprodução de textos, total ou parcial, sem a expressa autorização da DPM Editora.
Informações adicionais poderão ser solicitadas pelo e-mail uppharma@uppharma.com.br . Qualquer dúvida, ou dificuldade de navegação, poderá ser atendida pelo serviço de suporte UPpharma on-line pelo e-mail: uppharma@uppharma.com.br

Seu IP: 44.223.39.67 | CCBot/2.0 (https://commoncrawl.org/faq/)