Hora certa:
 

Noticias

Aumento de diagnósticos de câncer de intestino entre população mais jovem preocupa especialistas

O mês de setembro é dedicado a conscientização sobre o câncer de intestino. A Campanha Setembro Verde tem como objetivo levar à população informações sobre rastreamento, diagnóstico precoce e prevenção. No cenário brasileiro, o câncer de intestino é o segundo mais comum entre homens e mulheres. De acordo com estimativas do Instituto Nacional de Câncer (INCA), somente em 2023, serão diagnosticados mais de 45 mil novos casos da doença em todo o país.

Embora a prevalência dos casos ocorra em pessoas acima dos 50 anos, existe uma percepção dos especialistas e evidencias cientificas confirmando o aumento de casos de câncer de intestino na população mais jovem. A Dra. Maria Ignez, oncologista clínica e membro da Sociedade Brasileira de Oncologia Clínica (SBOC), percebe esse aumento de diagnósticos no consultório, ainda que, até o momento, não existam dados que apontem para uma causa mais especifica. "A crescente incidência entre os mais jovens tem sido tema de discussão frequente em congressos de oncologia, e embora ainda não haja uma resposta definitiva quanto aos fatores desencadeantes, diversos aspectos podem estar contribuindo para essa tendência. Acredita-se que os hábitos de vida, incluindo dieta, obesidade e outros fatores relacionados ao estilo de vida, desempenhem um papel importante nesse aumento entre os mais jovens", enfatiza a oncologista.

Os exames de rastreamento são importantes porque quanto mais cedo o câncer é diagnosticado, maiores são as chances de cura do paciente. "Existem exames de rastreamento disponíveis para detectar o câncer de intestino, com destaque para o teste do sangue oculto nas fezes, um exame acessível que busca vestígios de sangue. Outro exame importante é a colonoscopia, realizado com o paciente sedado, durante o qual o médico inspeciona o interior do intestino por meio de uma microcâmera, garantindo uma avaliação detalhada, com este exame é possível fazer o diagnóstico através da biópsia", explica a especialista.

A frequência do rastreamento pode variar de acordo com os resultados dos exames, podendo ser realizado a cada dois anos, conforme orientação médica. No entanto, em casos de predisposição genética, é recomendado que o rastreamento seja conduzido anualmente. Essa adaptação da periodicidade dos exames é fundamental para garantir a saúde e a detecção precoce de possíveis problemas.

 Sintomas
 
Esta é uma doença silenciosa, muitas vezes passando despercebida, pois os primeiros sinais, como alterações intestinais, tendem a ser subestimados. "Um exemplo comum é quando alguém que anteriormente tinha constipação agora experimenta uma frequência maior de movimentos intestinais soltos, ou quando alguém que tinha evacuações regulares diárias passa a tê-las a cada seis dias, por exemplo. No entanto, é crucial observar que esses sintomas devem ser considerados preocupantes quando se tornam recorrentes e não são esporádicos", pontua Dra. Ignez.
 
Além disso, outros sintomas a serem observados incluem perda de peso inexplicada, inchaço abdominal e a presença de sangue nas fezes. Mas, é importante notar que nem todos os tipos de tumores causam sangramento nas fezes, e isso geralmente ocorre em estágios avançados da doença. A anemia também pode ser um sinal indicativo de câncer colorretal.
 
Tratamento
 
O tratamento do câncer colorretal é altamente personalizado, adaptando-se à situação específica de cada paciente. Quando o tumor está localizado no intestino, a abordagem inicial envolve geralmente uma cirurgia. Se o câncer já tiver se espalhado para além do intestino, é necessária uma avaliação detalhada pelo oncologista para determinar se a cirurgia ainda é necessária ou se o tratamento deve começar com quimioterapia. Essa decisão é altamente individualizada e depende das características do paciente e do estágio da doença. No caso de tumores no reto, a radioterapia é frequentemente uma opção recomendada, juntamente com outras abordagens descritas acima.
 
Para pacientes que não são candidatos à cirurgia, o tratamento do tumor muitas vezes envolve sessões intermitentes de quimioterapia que deve ser adaptada a características moleculares avaliadas nos tumores.
 
Prevenção
 
Dra. Ignez destaca que a incidência do câncer colorretal está diretamente associado ao estilo de vida, por isso, entre os pilares da prevenção está a mudança de hábitos alimentares. Isso inclui a redução do consumo de carnes processadas e vermelhas, alimentos ultraprocessados, a inclusão de uma dieta rica em fibras e a manutenção de um peso adequado para a idade e estatura.
 
Além disso, a oncologista clínica ressalta que é necessário incorporar atividades físicas à rotina e evitar sempre o consumo de cigarro e álcool.


 

 

UPpharma on-line: publicação dirigida a médicos, prescritores e profissionais da saúde


(11) 5533-5900 – uppharma@uppharma.com.br
O conteúdo dos artigos assinados no site e no boletim UPpharma on-line é de responsabilidade de cada um dos autores. As opiniões neles impressas não refletem, necessariamente, a posição desta Editora.
Não é permitida a reprodução de textos, total ou parcial, sem a expressa autorização da DPM Editora.
Informações adicionais poderão ser solicitadas pelo e-mail uppharma@uppharma.com.br . Qualquer dúvida, ou dificuldade de navegação, poderá ser atendida pelo serviço de suporte UPpharma on-line pelo e-mail: uppharma@uppharma.com.br

Seu IP: 44.223.39.67 | CCBot/2.0 (https://commoncrawl.org/faq/)