Hora certa:
 

Noticias

Outubro Rosa: estudos clínicos contribuem no combate ao câncer de mama

O mês de outubro é conhecido pela campanha anual que tem por objetivo alertar sobre o diagnóstico precoce do câncer de mama: o “Outubro Rosa”. A conscientização teve início na década de 90, nos Estados Unidos, e acabou sendo adotada por inúmeros países. O Instituto Nacional de Câncer (INCA) estima que, para cada ano do triênio 2020/2022, sejam diagnosticados 66.280 novos casos de câncer de mama no país. Os principais sintomas da doença são: pele da mama avermelhada, caroço (nódulo) endurecido e saída espontânea de líquido de um dos mamilos.

A forma mais eficaz de combater o câncer de mama é o diagnóstico precoce, ou seja, quanto mais cedo for detectado, maior as chances de cura. Para garantir que as mulheres consigam atendimento médico logo nos primeiros sinais da doença é necessário que a rede pública de saúde ofereça recursos como tratamentos quimioterápicos eficazes, exames de mamografia e cirurgias. Novas possibilidades de tratamento são essenciais para garantir que os pacientes consigam ter qualidade de vida.

De caráter fundamental, e até indispensável, para a descoberta de tratamentos e a minimização de seus possíveis efeitos colaterais nos seres humanos, os estudos clínicos são capazes de contribuir com o avanço e produção de novos medicamentos para tratamento do câncer de mama.

Diversos estudos clínicos já foram realizados ao redor do mundo que resultaram na incorporação de novas drogas à prática clínica e que expandiram o êxito no combate ao câncer de mama. “Por conta da pesquisa clínica, muitos pacientes de câncer de mama conseguem ter um tratamento digno e dispor de ótima qualidade de vida por receberem medicamentos sem qualquer custo, seja por serem usuários do Sistema Único de Saúde (SUS) ou até mesmo por terem sido voluntários de uma pesquisa clínica de um novo medicamento”, explica Fernando de Rezende Francisco, Gerente Executivo da Associação Brasileira de Organizações Representativas de Pesquisa Clínica (ABRACRO).

O avanço dos estudos científicos e clínicos tem sido fundamental na descoberta de inúmeros tratamentos eficientes, capazes de oferecer excelente qualidade de vida por conta do aumento significativo nas chances de cura. “A pesquisa clínica forma essa ponte entre o laboratório e os pacientes, testando se compostos promissores são seguros e melhores do que os atualmente disponíveis”, pontua Francisco.

Para conseguir que novos tratamentos sejam desenvolvidos, é essencial contar com a participação de voluntários que atendam às características e critérios necessários para a pesquisa clínica em andamento. “É fundamental a participação de voluntários em estudos clínicos focados na descoberta de tratamentos contra o câncer de mama. Geralmente, os anúncios acontecem em sites de hospitais e instituições da área. O melhor caminho é conversar com seu médico e informar a ele seu interesse em participar de um estudo.”, finaliza Francisco.

 

UPpharma on-line: publicação dirigida a médicos, prescritores e profissionais da saúde


(11) 5533-5900 – uppharma@uppharma.com.br
O conteúdo dos artigos assinados no site e no boletim UPpharma on-line é de responsabilidade de cada um dos autores. As opiniões neles impressas não refletem, necessariamente, a posição desta Editora.
Não é permitida a reprodução de textos, total ou parcial, sem a expressa autorização da DPM Editora.
Informações adicionais poderão ser solicitadas pelo e-mail uppharma@uppharma.com.br . Qualquer dúvida, ou dificuldade de navegação, poderá ser atendida pelo serviço de suporte UPpharma on-line pelo e-mail: uppharma@uppharma.com.br

Seu IP: 44.223.39.67 | CCBot/2.0 (https://commoncrawl.org/faq/)