Hora certa:
 

Noticias

Vacina de alergia pode levar rinite à remissão

A imunoterapia, mais conhecida como vacina para alergia, é um tratamento centenário, porém, vem ganhando destaque nos últimos anos pelo aumento no número de alergias e, consequentemente, como uma das ferramentas mais eficazes para asma, rinite e dermatite atópica.

Tradicionalmente, a vacina para alergia é aplicada de forma subcutânea, mas com os avanços da área já é possível encontrar o tratamento na forma sublingual, que oferece menos riscos de reações adversas como a anafilaxia, a mais grave entre elas. A via sublingual é indicada a partir de dois anos de idade e a via subcutânea em crianças a partir de cinco anos. Atualmente , a literatura também vem demonstrando bons resultados em idosos.

O Coordenador do Departamento Científico de Imunoterapia da Associação Brasileira de Alergia e Imunologia (ASBAI), Dr. Fernado Aarestrup, explica abaixo sobre eficácia e até possível remissão de algumas doenças alérgicas, como a rinite, por exemplo.

A imunoterapia tradicional é realizada de forma subcutânea, mas essa pode dar reações adversas como a anafilaxia? Como deve ser feita para dar segurança ao paciente? 

Fernado Aarestrup - A imunoterapia por via subcutânea deve ser sempre realizada sob supervisão médica. Preferencialmente, a aplicação dever ser feita na própria clínica do médico alergista e imunologista que prescreveu o tratamento. 

Recentemente, dados do Censo Brasileiro de Imunoterapia com Alérgenos revelaram que as reações sistêmicas no Brasil são muito mais comuns do que imaginávamos. O local da aplicação deve ter infraestrutura adequada e medicamentos para atender reações adversas graves como a anafilaxia, que embora não seja comum pode ocorrer. Após a aplicação, o paciente deve ficar em observação e monitorado por um período mínimo de 30 minutos. Essas recomendações estão presentes em todos os consensos científicos publicados sobre imunoterapia com alérgenos. 

A imunoterapia sublingual é mais recente. Quais os benefícios em relação à subcutânea? 

F.A - A imunoterapia por via sublingual já é utilizada na Europa há mais de 30 anos. No Brasil, na última década, o seu uso vem aumentando muito. O principal benefício é o alto perfil de segurança que possibilita que a aplicação possa ser feita em casa pelo próprio paciente. 

Os resultados apresentados são semelhantes entre as duas, apenas os efeitos colaterais as diferem? 

F.A - Os estudos sugerem que ambas as vias de aplicação são altamente eficazes. Ocorre a remissão das doenças alérgicas, particularmente rinite e asma, com controle dos sintomas em média por 10 anos, após o término do tratamento. Essa é a única forma de tratamento que atua na causa das doenças alérgicas, promovendo uma regulação do sistema imunológico.

Asma, rinite e dermatite atópica são alergias que podem ser tratadas com a imunoterapia. Dessas, quais apresentam mais resultados com a “vacina para alergia”? 

F.A - O emprego da imunoterapia no tratamento da rinite e asma alérgicas apresenta resultados espetaculares. Mais recentemente, diversos estudos vêm demonstrando também a eficácia da imunoterapia no tratamento da dermatite atópica. Para o tratamento dar certo, deve ser prescrito e orientado por médico especialista em Alergia e Imunologia,    que possui formação profissional adequada para realizar e indicar esse tipo de tratamento.

Descobrir a causa da alergia do paciente, utilizando testes alérgicos adequados, é sempre o primeiro passo para planejar o tratamento. A imunoterapia deve ser personalizada, ou seja, a vacina para alergia é feita seguindo as características de determinado paciente, não é algo “pronto”.  

A imunoterapia pode curar alergia? 

F.A - Hoje falamos em remissão da doença alérgica por muitos anos. Entretanto, existem pacientes que nunca mais apresentaram sintomas alérgicos. Portanto, a possibilidade de cura existe, mas ainda precisamos de mais dados e estabelecimento de critérios para determinarmos o que significa estar curado. 

 

UPpharma on-line: publicação dirigida a médicos, prescritores e profissionais da saúde


(11) 5533-5900 – uppharma@uppharma.com.br
O conteúdo dos artigos assinados no site e no boletim UPpharma on-line é de responsabilidade de cada um dos autores. As opiniões neles impressas não refletem, necessariamente, a posição desta Editora.
Não é permitida a reprodução de textos, total ou parcial, sem a expressa autorização da DPM Editora.
Informações adicionais poderão ser solicitadas pelo e-mail uppharma@uppharma.com.br . Qualquer dúvida, ou dificuldade de navegação, poderá ser atendida pelo serviço de suporte UPpharma on-line pelo e-mail: uppharma@uppharma.com.br

Seu IP: 44.223.39.67 | CCBot/2.0 (https://commoncrawl.org/faq/)