Hora certa:
 

Noticias

Março é o mês de Conscientização da Incontinência Urinária

A incontinência urinária, caracterizada pela perda involuntária de urina pela uretra, é um dos distúrbios urinários mais comuns na população brasileira e afeta cerca de 35% das mulheres e 15% dos homens com mais de 40 anos, segundo dados da Sociedade Brasileira de Urologia. E para chamar a atenção da sociedade para os sintomas e os tratamentos, março é o mês da conscientização da incontinência urinária no Brasil.

Para o médico urologista Paulo Jaworski, professor de urologia da Faculdade Evangélica Mackenzie e diretor científico do Uroville – Urologia Avançada, apesar de ser uma condição comum, são muitos os fatores que levam à disfunção e, por isso, é necessário buscar orientação médica para encontrar o tratamento mais adequado para cada caso. “A incontinência urinária se apresenta em três formas distintas e uma das causas mais frequentes é o mau funcionamento da bexiga. Porém, nos homens ela pode estar relacionada à Hiperplasia Benigna de Próstata (HBP) ou a problemas neurológicos em crianças”, alerta.

Um dos tipos é a incontinência aos esforços, que é uma das mais frequentes em mulheres e ocorre ao tossir, espirrar, levantar peso ou mesmo ao se movimentar no dia a dia como ao se levantar da cama ou ao se sentar, por exemplo. Entre os fatores de risco para este tipo de distúrbio em homens estão o aumento da próstata (HBP) e a cirurgia radical da próstata, indicada para casos de câncer de próstata. Já nas mulheres, são muitos os fatores que levam a esta condição, entre eles o histórico familiar, o número de gestações, a menopausa, a obesidade e prolapsos de órgãos pélvicos, conhecidos como bexiga caída ou útero caído.

Já a incontinência urinária de urgência é quando a perda urinária ocorre ao mesmo tempo que o desejo intenso de urinar, sendo difícil controlar a micção. “Nestes casos, o músculo da bexiga se contrai em momentos inoportunos, mesmo sem que a bexiga esteja cheia, o que chamamos de bexiga hiperativa e é uma condição bastante frequente na população”, explica Paulo Jaworski. Além desses dois tipos, há ainda a incontinência por transbordamento, que se caracteriza pela dificuldade em esvaziar completamente a bexiga, fazendo com que o resíduo de urina escape de forma contínua, em gotas.

Em todas as situações é possível reverter o quadro com diferentes abordagens que vão desde o uso de medicamentos e fisioterapia até procedimentos cirúrgicos. “Existe um tabu de que a incontinência urinária faz parte do envelhecimento, por isso muitas pessoas não buscam orientação. Apesar de ser mais prevalente com o avanço da idade, não é uma condição normal. O problema é que este distúrbio afeta diretamente a qualidade de vida e a autoestima do paciente e já há estudos que relacionam essa condição a quadros de depressão e ansiedade”, destaca Paulo Jaworski.

 

UPpharma on-line: publicação dirigida a médicos, prescritores e profissionais da saúde


(11) 5533-5900 – uppharma@uppharma.com.br
O conteúdo dos artigos assinados no site e no boletim UPpharma on-line é de responsabilidade de cada um dos autores. As opiniões neles impressas não refletem, necessariamente, a posição desta Editora.
Não é permitida a reprodução de textos, total ou parcial, sem a expressa autorização da DPM Editora.
Informações adicionais poderão ser solicitadas pelo e-mail uppharma@uppharma.com.br . Qualquer dúvida, ou dificuldade de navegação, poderá ser atendida pelo serviço de suporte UPpharma on-line pelo e-mail: uppharma@uppharma.com.br

Seu IP: 3.230.143.213 | CCBot/2.0 (https://commoncrawl.org/faq/)