Hora certa:
 

Noticias

Cardiologistas poderão atuar em Medicina do Sono

Os cardiologistas brasileiros poderão obter certificação em medicina do sono junto à Associação Médica Brasileira (AMB). Até então, apenas especialistas em Neurologia, Pneumologia, Otorrinolaringologia, Psiquiatria, Pediatria e Clínica Médica podiam de forma regularizada ter a medicina do sono como uma área de atuação.

A abertura para que médicos cardiologistas possam obter esta certificação e atuar na área foi consequência de um esforço conjunto entre a Sociedade Brasileira de Cardiologia (SBC) e a Associação Brasileira do Sono (ABS), que apresentaram todas as justificativas junto à AMB. O processo passa por educação, treinamento e experiência na área. Algumas universidades brasileiras oferecem Residência Médica em medicina do sono.

Segundo o cardiologista Luciano Drager, membro da SBC, médico do InCor, e presidente da ABS que esteve envolvido diretamente com este processo, diversos estudos reforçam a importância de cuidar do sono como fator imprescindível para redução no risco de desenvolver doenças cardiovasculares. O tema é pesquisado há pelo menos 4 décadas, ganhando um grande avanço nos últimos 10 anos.

"As pesquisas têm indicado que diversos distúrbios de sono – com destaque para a insônia, a privação do sono e a apneia do sono – podem contribuir para o aumento do risco para diversas doenças do coração e dos vasos sanguíneos", explica Drager.

Em 2018, a SBC lançou o primeiro posicionamento brasileiro sobre os impactos dos distúrbios do sono nas doenças cardiovasculares. O documento teve como coordenador o próprio Luciano Drager. Recentemente, em 2022, foi a vez da Associação Americana do Coração (AHA) se manifestar sobre o tema.

A AHA incluiu o sono pela primeira vez como um fator de risco para doenças cardíacas, incluindo um aumento de 45% no risco de desenvolver doenças coronarianas e um aumento de 30% no risco de acidente vascular cerebral.

Para Luciano Drager, este apontamento foi decisivo para que a cardiologia passasse a se dedicar ainda mais sobre o tema do ponto de vista científico.

"Este reconhecimento de uma entidade tão respeitada cientificamente trouxe uma grande projeção, chancelando as inúmeras pesquisas na área. Além disso, trouxe muita atenção por parte dos profissionais de saúde, pacientes e da mídia, que muitas vezes não estavam atentos à importância do sono na cardiologia", explica.

Apesar dos avanços no campo da ciência, ainda é preciso um olhar mais atento dos cardiologistas nos consultórios, explica Drager.

"Pesquisar sobre o padrão do sono deve fazer parte da rotina de todo cardiologista. E é importante que o médico estimule o paciente a falar sobre o assunto, tendo em vista que comumente este está ali para fazer um "check-up", avaliar a pressão, controlar o colesterol, avaliar uma falta de ar ou uma dor no peito, entre outras demandas mais comuns levadas ao cardiologista ", finaliza.

UPpharma on-line: publicação dirigida a médicos, prescritores e profissionais da saúde


(11) 5533-5900 – uppharma@uppharma.com.br
O conteúdo dos artigos assinados no site e no boletim UPpharma on-line é de responsabilidade de cada um dos autores. As opiniões neles impressas não refletem, necessariamente, a posição desta Editora.
Não é permitida a reprodução de textos, total ou parcial, sem a expressa autorização da DPM Editora.
Informações adicionais poderão ser solicitadas pelo e-mail uppharma@uppharma.com.br . Qualquer dúvida, ou dificuldade de navegação, poderá ser atendida pelo serviço de suporte UPpharma on-line pelo e-mail: uppharma@uppharma.com.br

Seu IP: 3.230.143.213 | CCBot/2.0 (https://commoncrawl.org/faq/)