Hora certa:
 

Noticias

Brasil registra mais de 5 mil casos da febre Oropouche em 2024

O Ministério da Saúde apontou um aumento nos casos de febre Oropouche no Brasil. Segundo o último boletim divulgado, foram registrados no total 5.102 casos desde o início do ano, enquanto em 2023 foram registrados apenas 832 casos ao longo de todo o ano.

Entre os principais estados afetados estão Amazonas e Rondônia. Outros casos confirmados e em investigação foram contabilizados em estados como Acre, Amapá, Bahia, Espírito Santo, Maranhão, Pará, Paraná, Piauí, Rio de Janeiro, Roraima e Santa Catarina.

Segundo o infectologista do Hospital Japonês Santa Cruz, Dr. Silvio Bertini, a doença é causada por um arbovírus e sua primeira aparição no Brasil foi em 1960. “A febre Oropuche é transmitida principalmente pela picada de mosquitos infectados, especialmente o Culicoides paraenses. O vírus também pode ser transmitido por outros mosquitos, como Aedes serratus e Coquillettidia venezuelensis, mas em menor frequência.”

Parecida com a dengue e a chikungunya, a febre oropouche tem como sintomas dor de cabeça, dor muscular, dor nas articulações, náusea e diarreia. Podendo só ser diagnosticada por meio de exames laboratoriais, por causa da grande semelhança.  O tratamento da febre Oropouche é principalmente sintomático, uma vez que não há um antiviral específico para o vírus. É recomendado repouso, hidratação e acompanhamento médico.

“A prevenção da febre Oropouche se baseia em medidas para evitar a picada dos mosquitos vetores. É recomendado o uso de repelentes nas áreas expostas da pele e sobre as roupas, seguindo as instruções do fabricante. Também é importante usar roupas de manga longa e calças compridas para minimizar a exposição da pele. A instalação de telas mosquiteiras em janelas e portas é uma medida eficaz para evitar a entrada de mosquitos nas residências”, orienta o infectologista.

Outra ação fundamental é a eliminação de criadouros de mosquitos, removendo água parada em recipientes como pneus, vasos de plantas e outros objetos que possam acumular água, onde os mosquitos depositam seus ovos.

A febre Oropouche está na lista de doenças de notificação compulsória devido ao seu potencial epidêmico e alta capacidade de mutação, podendo se tornar uma ameaça significativa à saúde pública. “É fundamental que todos estejam cientes das medidas de prevenção e do papel que cada um pode desempenhar na luta contra a disseminação da doença”, finaliza o infectologista.

UPpharma on-line: publicação dirigida a médicos, prescritores e profissionais da saúde


(11) 5533-5900 – uppharma@uppharma.com.br
O conteúdo dos artigos assinados no site e no boletim UPpharma on-line é de responsabilidade de cada um dos autores. As opiniões neles impressas não refletem, necessariamente, a posição desta Editora.
Não é permitida a reprodução de textos, total ou parcial, sem a expressa autorização da DPM Editora.
Informações adicionais poderão ser solicitadas pelo e-mail uppharma@uppharma.com.br . Qualquer dúvida, ou dificuldade de navegação, poderá ser atendida pelo serviço de suporte UPpharma on-line pelo e-mail: uppharma@uppharma.com.br

Seu IP: 100.28.0.143 | CCBot/2.0 (https://commoncrawl.org/faq/)